Inspiração em um dia comum, passado ao lado de pessoas que amo, fazendo aquilo que gosto, pensando só em coisas boas, atraindo a positividade, sintonizando boas vibrações, imaginando o barulho do mar, sentindo o cheiro da chuva, aprendendo com a escola da vida, agregando valor ao simples, respirando a brisa da tarde, esperando a noite chegar, para admirar o brilho da lua enquanto vivo a mistura do todo. Procurando na paisagem o sentido da existência, buscando sem trégua pela essência, me entregando pouco a pouco a freqüência, adquirindo dia a dia experiência, necessária para uma melhor vivência. Tudo em um segundo. No próximo já seria tudo diferente, nada disso passaria em minha mente, talvez eu nem estivesse contente. E na falta da minha alegria, talvez eu nem notaria, toda essa sinestesia que se passa em um momento de euforia e vai embora sem deixar vestígio. Passada uma hora, acho até que foi delírio. E mesmo irreal e inalcançável, a sensação é tangível e o segundo existiu. O que é que faz sentido no universo da percepção? A vida não passa de momento, do segundo. Um dia vai ser uma memória distante dos tempos idos, que ainda provocará toda aquela sensação, aquela nostalgia. Mas que ficou pra trás. E a marcha não pára. Quem é que quer ficar para trás?