Mansos, serenos, revelam suave alegria.
Descompassados, agitados, sinais de rebeldia.

Globos, não é a toa:
Cada par é um mundo.

A função nem sempre é boa,
Interpretam e julgam tudo.

Tudo quanto está ao alcance
Do sentido mais fiel e traiçoeiro.

O ver para crer
O crer no que não se pode ver
O só ver aquilo em que se crê
O crer ver o que não existe
O não querer ver
O não ver
O invisível

O sentido mais fiel e traiçoeiro.
O mais pretensioso. O mais verdadeiro.
O mais incompleto e sem graça.
Um paradoxo sufocante:

Os olhos. O reflexo da alma.
Incapaz de vê-la…