Me consome por inteiro e me deixa só o pó
Enquanto encho o cinzeiro aproveitando o meu melhor
O sono vem mas por razão desconhecida contra ele eu luto
Pouco além da enganação da vida constitui tão grande insulto

Invade a solidão quase arrancando a porta do quarto
Depois da invasão acumula a poeira no porta-retrato
Dentro ou fora nada se ouve predomina o silêncio
O movimento com ou sem o revólver requer prudência

Madrugada é uma energia que domina o espaço e muda tudo
Quando zera o relógio eu sigo meus passos estou no meu mundo