Eu me recuso a acreditar que a humanidade está perdida e que as crianças já nascem num mundo destinado ao insucesso. Eu me recuso a acreditar que exista um único ser, uma única coisa no universo que não possua um propósito, um significado. Eu me recuso a acreditar que a arrogância seja maior do que a inteligência. Eu me recuso a acreditar no conceito do impossível, em fatos absolutos, em provas concretas. Eu me recuso a acreditar no que é imposto, sem motivo, sem explicação. Eu me recuso a acreditar que existam moedas de um único lado. Eu me recuso a acreditar que as coisas são como elas são, e que a verdade é inatingível.

Eu prefiro acreditar que as mentiras são contadas por engano e que o erro é a mais eficiente forma de aprendizado. Eu prefiro acreditar que o ser humano é essencialmente bom e que todo o mal é consequência de escolhas ruins. Eu prefiro acreditar que não existem apenas segundas chances, mas terceiras, quartas, infinitas, até que a oportunidade seja bem aproveitada. Eu prefiro acreditar nas boas intenções, independente de qualquer julgamento. Eu prefiro acreditar que cada pessoa é capaz de transformar sua vida e seu ambiente, que cada pessoa é importante de alguma maneira, e que cada pequeno gesto pode se tornar uma grande atitude. Eu prefiro acreditar que além de qualquer atitude ou pensamento, bom ou ruim, existe um processo, uma história, um motivo. Eu prefiro acreditar que o acaso é uma inteligência que não conseguimos compreender, mas que é infalível em seus planos. Eu prefiro acreditar que existe verdadeiro amor, real amizade, fraternidade e esperança…

Podem me achar bobo, ingênuo e até infantil. Mas é questão de escolha. Enquanto uns escolhem no que acreditar pra se defender do sofrimento, outros preferem acreditar na vida, na mudança, na escolha…

Anúncios